‘The Elephant Inside the Snake’ é um trabalho em torno da infância, o crescimento e a aprendizagem do ser humano durante os seus primeiros anos de vida. Uma fase de descobertas, imaginação e sonho. Sem o peso das responsabilidades da vida adulta é um período no qual o ser se encontra livre e predisposto à absorção, interpretação do mundo que o rodeia assim como à construção de novos mundos.

Este trabalho foi construído a partir das imagens que marcaram a minha infância. Para uma criança que tenha nascido em meados dos anos 80 e crescido nos inícios dos anos 90, a televisão era uma porta para o mundo. O fluxo de imagens não era tão poderoso como no presente e tudo servia para dar asso à criatividade e imaginação. Desde muito novo tive o contacto com o arquivo fotográfico e vídeo dos meus pais, arquivo este que revisitei vezes sem conta. As imagens que fazem parte deste repetiram-se até à exaustão ao ponto de moldarem na minha memória as recordações da infância.

Os interesses mudam em poucos anos, é uma fase de crescimento e existe uma evolução. O trabalho é construído de uma forma linear e temporal, representado os meus primeiros dez anos de existência. Recorri ao arquivo de vídeo e fotográfico dos meus pais, que desde o meu nascimento fizeram da fotografia uma prática comum com propósito de registar os mais diversos eventos e acontecimentos em torno da minha existência. Para além deste, fazem também parte alguns objetos que estiveram presentes na minha infância que permitiam despertar na minha mente construções de novas imagens.

Apesar de ser um assunto pelo qual me despertou o interesse à muito tempo, e no qual abordei superficialmente no trabalho desenvolvido para a dissertação de mestrado, finalmente consegui realizar um trabalho no qual pudesse transparecer parte dos meus primeiros 10 anos de vida e que ao mesmo tempo fosse uma homenagem a um período de inocência e descoberta.

‘The Elephant Inside the Snake’ é um trabalho em torno da infância, o crescimento e a aprendizagem do ser humano durante os seus primeiros anos de vida. Uma fase de descobertas, imaginação e sonho. O peso das responsabilidades da vida adulta é algo que se encontra bem longe, sendo a maior preocupação se basear-se na liberdade e predisposição de absorção e interpretação do mundo que o rodeia, construindo novos mundos.

Trabalho apresentado no Festival Internacional de Fotografia de Braga, no Mosteiro de Tibães, integrado na colectiva Open Call, de 2016.